9.1.18


Estou mais para o universo numa gota d'água do que num casca de noz.
Não é nada contra Stephen Hawking, é que meu ambiente é mais fluído.
Mas concordo quando ele diz:
" A busca por descobertas estimula nossa criatividade em todos os campos, não apenas na ciência. Se chegássemos ao fim da linha, o espírito humano feneceria e morreria. Mas acho que nunca vamos ficar estagnados: devemos crescer em complexidade, quando não em profundidade, e seremos sempre o centro de um horizonte de possibilidades em expansão."
Seja na água, na terra, no ar... ou numa gota d'água.
“Overflowing” - fotografia de Hope Carter.


Li outro dia por aí e achei tão bonito:

"Não preciso saber a tua idade...
nem onde mora ou com o que trabalha.
Quero saber da sua relação com as estrelas;
o quanto de cura tem no teu sorriso
e se há Amor na tua fala."

Sinto falta, principalmente, de amor na fala das pessoas.
Estou um pouco cansada de frases prontas...tem uma pessoa que sempre que me encontra diz:
- Ah...eu gosto tanto de você!
Mas é tão frio, tão artificial, tão no automático, que eu mal consigo reagir.No começo eu me animava e reagia euforicamente, mas ultimamente eu esboço, no máximo, um sorriso amarelo.Não consigo mais que isso porque sei que a fala não é sincera.A pessoa nunca me pergunta como estou, não me convida para um café, um bate papo ou mesmo para sentarmos no banco da praça e vermos a vida passar.Não quer saber se eu sofri quando perdi meu pai, não aquilata o que significa para mim ainda não conseguir dirigir, não pensa na falta que o movimento dos pés me faz.Nunca me perguntou como é tocar o chão e não sentí-lo.
Um dia ainda pergunto:
- O quanto é este tanto que você diz que gosta de mim?
Se for pouco, eu passo.Não estou aqui para migalhas, nunca fui disso.Gosto de tudo muito e mais ainda de gente sincera.
Em contrapartida existem outras pessoas, que apesar de vê-las pouco, transbordam alegria quando nos encontramos.
Aí nem é preciso dizer:
- Ah...eu gosto tanto de você!
Porque o amor e a amizade não cabem em uma ou duas palavras, mas sim numa conversa inteira.É a forma como compreendo o que o outro está querendo dizer.É o quanto me coloco no lugar dele.É o amor de verdade que a gente sente saindo da boca da pessoa em cada palavra, em cada pausa, em cada ponto.Neste final de ano tive alguns encontros assim, o que me fez querer dar uma separada no joio do trigo.Não sei bem se sou joio ou se sou trigo, mas só quero ao meu lado quem sabe amar as pessoas como a si mesmas.
Funcionou, porque consegui não encontrar a tal pessoa que sempre diz:
- Ah...eu gosto tanto de você!
Desta vez, passei!

     

2.1.18

Ainda acredito em Peace, Love and Understand. Esta fórmula não pode estar errada...

O que eu gosto desse video não está escrito em lugar algum, nem mesmo nas estrelas lá dos recônditos do firmamento.



Como boa selenita passo horas olhando para o céu buscando palavras e estrelas.
Não é sempre que aparecem, mas sou teimosa e sigo assim: mais guardando do que confessando.
Falo de coisas bonitas, de amor, esperança, resiliência...conto histórias prá lá de interessantes com um repertório de dar inveja a Sherazade.
Eu abraço, conforto, compartilho, mas pouco falo do que me vai lá dentro da alma.
Only God Knows...

E lembro sempre de Quintana:
"Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!"

A vida pode não me dar tudo o que quero, carrego um cesto de desejos utópicos, mas faço o melhor que posso com o que ela me dá.

24.12.17

Olhar, além de nós mesmos, sempre!



15.12.17

“Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores, matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz,
e, conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.”
( Eduardo Alves da Costa )

E assim nossos temores vão nos imobilizando.
De repente, surge um ponto de virada em nossas vidas e só aí nos damos conta que precisamos emergir.
Como é lindo quando alcançamos a superfície!
Não há sensação melhor do que o ar renovando nossos pulmões.



6.12.17

Cheguei em casa tarde e com dor de cabeça.
Aonde foi parar a educação das pessoas? Essa coisa de cliente mal educado, achando que pode vociferar ofensas, muitas vezes injustificáveis, está me cansando.
E quanto mais dinheiro ele tem, pior fica.
Hoje atendi uma arquiteta que, visivelmente cheia de problemas, resolveu descarregar todas as suas neuras e insatisfações nos meus ouvidos.Ela reclamou, repetidamente, por aproximadamente 40 minutos, de todo o meu staff. Pessoa mais sem noção.Com certeza é o tipo de pessoa que não dá bom dia ao porteiro do prédio aonde mora.E ainda é machista, queria falar com algum superior meu.Eu disse que os dois que poderiam atendê-la estavam ausentes e ela achou um absurdo!
Minha vontade era responder: Eu sou o que temos para hoje, é pegar ou largar! Mas é claro que minha educação não me permite essas extravagâncias.
Mas voltemos a falar de silêncios que é bem mais gostoso!
Esta música, que acho uma perfeição, traduz aquela pausa tão necessária nos momentos em que está difícil a concentração.
Como diz a letra: é "quello cue mi manca". 

4.12.17

Hoje falamos tanto de silêncios...da falta de eco, daquilo que a gente pensa que escutou mas era só ilusão e da falta que algumas vozes nos fazem.
Não podemos deixar que o silêncio invada nossas almas e silencie nossos corações.
Eu queria tanto gritar: eu sinto muito a sua falta!
Só que não vai adiantar e constatar que meu lamento não será escutado, abre um buraco nas águas mais profundas do meu coração.Mais que seu colo, seu abraço, eu queria a sua voz.
Sou teimosa e enquanto eu viver aqui dentro continuarei te escutando, mesmo que seja só ilusão.
Aí chego em casa e uma amiga compartilha essa música.
É prá escutar e te amar mais ainda, fechar os olhos e pensar que um dia te encontro de novo:

2.12.17

Abro a janela e vejo a pitangueira dando seus primeiros frutos, este ano nem percebi quando ela floresceu...
Sempre tive uma relação muito forte com as pitangas, elas me remetem, sempre, à coisas boas.
Só hoje me dei conta que algo mudou, que de alguma forma elas me passaram quase que despercebidas.Elas estavam lá no fundo da minha memória como aquelas fotografias amareladas esquecidas no fundo de uma gaveta qualquer.
Fui logo tratando de tirar o amarelado da memória:


A vida é tão curta, o amor um sentimento tão intenso e duradouro, que quero que permaneçam em mim todos os momentos em que o amor foi recíproco.   

1.12.17

Monserrate

Estou bem longe de ser "um homem de negócios que fez fortuna trabalhando na empresa do pai, que negociava tecidos", mas...também me deixei fascinar por Sintra.
E a arquitetura do Palácio de Monserrate é um desses encantamentos.




Monserrate me leva a imaginar histórias...o concerto é espanhol, o intérprete italiano, o palácio português, construído por um inglês, mas nada disso tem real importância, sua arquitetura, sua linguagem, é universal!
E o Concerto de Aranjuez combina perfeitamente com ele:

Uptown girl

Sozinha em casa, chovendo e com dor de garganta, não há companhia melhor que uma xícara de chá.
É só escolher o filme, engatar a primeira e ir em frente!
Confesso que sou um tanto compulsiva nesse sentido.
Aí vou experimentando diversos títulos e gêneros, confesso uma certa atração por títulos esquisitos.
Juro que tentei, assisti pela segunda vez "Blue Valentine" e não gostei.Até que não é tão ruim, mas não consegui enxergar o que os outros espectadores gostaram tanto nele.
Experimentei também uma comédia romântica do tipo besteirol americano cujo nome em português é "Descompensada".


Diálogos fracos, como se faltassem pedaços, piadas sem graça, algumas falas bem toscas, mas tem algo de interessante neste filme: percebe-se a boa vontade do elenco em tentar fazer a coisa acontecer. E gostei da forma como a música "Uptown girl" foi inserida no roteiro.
Vale a pipoca e o chá!

29.11.17

Assim como a Patagônia, " O farol das orcas" é lindo!

Um dos meus projetos, que até que são poucos, é, mais do que visitar, viver a Patagônia.
Assim sendo não tive como não me apaixonar pelo filme argentino/espanhol "O farol das orcas", de Gerardo Olivares.
Não importa se a história que nos é apresentada é um tanto romantizada, eu amei assim mesmo.
Considero a história real tão linda quanto.
Compreendo intima e perfeitamente Roberto Bubas e a estreita relação que tem com as orcas e com os demais seres, sejam eles humanos ou não.E acredito que os animais sejam capazes de nos tocarem aonde os cinco sentidos não importam mais.Me emocionei fortemente algumas vezes durante o filme. Aquelas imagens traduzem a "minha" Península Valdés e muito do que penso e sinto.
A fotografia, a música e os laços de amor que permeiam as relações dos personagens fazem do filme uma poesia.
O fato do menino ser autista é tratado de forma tão pura e delicada que não só nos emociona como também altera a nossa percepção sobre o tema de uma maneira extremamente positiva.

25.11.17

Lelouch é atemporal!

Claude Lelouch (Retratos da Vida,1981) fala de relacionamentos de modo raro e sempre imprime sua marca nos filmes.
Marca esta que vem acompanhada de uma trilha sonora inconfundível, muito bem conduzida por Francis Lai. Foi assim com "Um homem, uma mulher"(1966) e continua até hoje com "Un + Une"(2015).



Ele trata o amor de uma forma que parece um tanto demodê, mas garanto que os românticos de plantão vão adorar.O cinema de Lelouch acompanhou o passar dos anos e as transformações tecnológicas.Fora que o pano de fundo é a Índia e a abertura do filme já nos coloca, magistralmente, dentro do país com todas as suas cores, sem deixar de lado o estilo do diretor que nos presenteia com cenas em estações de trem, viagens de barco e passeios de carro.É interessante como ele insere os meios de transporte no contexto.
Jean Dujardin está muito bem no papel de Antoine, escolha acertadíssima.

12.11.17

Mais uma vez: amor, cinema, música.



"One more kiss, dear,
  one more sigh
  Only this dear, is goodbye
  For our love is such pain
  and such pleasure
  That I'll treasure till I die"


11.11.17

Prokofiev era genial!

Não só pessoas, mas fatos e coisas também fazem anos, e isto é bom!
Vivo lembrando de tudo, o que às vezes me atrapalha. Seria bom esquecer mais do que lembrar, embora os anos me ajudem muito a sentir menos, mesmo lembrando.
Meses não resolvem muito, mas anos já vão tornando as coisas bem mais fáceis.
Se eu escutasse meu coração não esqueceria nada, o que seria quase um martírio emocional e algo não tão distante assim da realidade. Só eu sei o quanto as lembranças insistem em voltar.
Vou aprendendo a deixar a razão falar um pouco e o que era sentimento, quase sempre intenso, torna-se lembrança.
Espero que os anos passem e que muitas das lembranças caiam, inadvertidamente, no esquecimento!
Talvez a vida fique mesmo melhor assim.


9.11.17

Ahhh, o cinema falando de afeto é mesmo lindo!!!

6.11.17

Seguir uma alimentação saudável e natural exige dedicação e muito amor.
Ando às voltas com muitas frutas, verduras, legumes, ovos, carnes e queijos.Esta têm sido a cara da minha cozinha ultimamente!


Ando às voltas com muitas frutas, verduras, legumes, ovos, carnes e queijos.
Mas isso não nos limita ao eterno bife com salada.Usando a criatividade é possível ir muito longe, hoje, por exemplo, para quebrar a monotonia de uma segunda feira atribulada vou fazer cogumelo Paris recheado com gorgonzola no forno.Minha sorte é que tenho um empório aqui do lado que recebe semanalmente cogumelos direto do produtor.


Outro legume bem versátil é a berinjela, tenho um infinidade de receitas com ela.De forno, com queijo, tomate e parmesão, fica maravilhosa. O segredo é chapar as fatias com sal e azeite antes.Em conserva ela também tem o seu valor!


E confesso que estou vivendo um caso de amor com o brócolis!!! Ai, como ele me satisfaz...não sei se estou ficando velha e mudando os valores, mas a verdade é que estou amando me alimentar assim.


Bem, pode não parecer mas até o bacon é natural, quando não industrializado, é claro.Aqui perto também vende bacon artesanal, que é um ótimo acompanhamento para o brócolis e espinafre que colho direto da horta.São as vantagens de se viver no campo!

5.11.17

Do que a gente aprende por aí:

"Volta e cuida de ti.
O teu corpo precisa de ti, os teus sentimentos precisam de ti, as tuas percepções precisam de ti.
A criança ferida em ti precisa de ti.
O seu sofrimento precisa de si para reconhecê-lo.
Vá para casa e esteja lá para todas estas coisas.
Pratica a respiração e a respiração consciente.
Faça tudo em plena consciência para que você possa realmente estar lá, para que você possa amar."

Thich Nhat Hanh - em Curando a Criança Interior




2.11.17

Coisas da vida

São tantas as coisas da vida que eu poderia escrever dias e dias sem nunca chegar ao fim.
Eu tento tantas histórias que não caberiam ao certo num livro só.
Quanto mais vivo mais percebo que não existem verdades absolutas e que o que eu sou hoje posso não ser amanhã.
A única certeza que tenho é do sentimento que carrego pelas pessoas que amo.Isso nunca diminui, eu amo e amo e amo e pronto.Podemos estar longe, às vezes um tanto ausentes, mas o amor, danadinho, não diminui.
Nunca fui muito constante, difícil de ficar presa, de aterrar.Ando sempre com um pé aqui e outro em qualquer lugar.
Ao envelhecer eu achava que estava errada e tentei ser mais centrada, mais normal.Mas aí que está, isto me despersonalizou.De repente me vi uma balzaquiana com tudo de Madre Teresa de Calcutá, aquela, que acolhe, que escuta, que conforta e que estava irremediavelmente presa em si mesma.
Mas aí acordei e percebi que posso ser esse encanto de pessoa e continuar com meus projetos e sonhos tão mirabolantes de ir sempre adiante.
A estagnação não combina comigo e eu havia esquecido de como sou uma pessoa determinada.
Estou amando essa minha nova fase, nunca imaginei que fazer 50 anos pudesse ser tão bom!
Sou grata à vida e tudo mais.

Dia de Finados

Finados deveria ser uma data esquisita..mas não!
Não considero um dia de tristeza e sim de lembranças.
Acho aniversários bem piores.
O dia de hoje me traz tudo de bom que vivi e aprendi com meu pai.
É dia de dar flores para quem sempre presenteou com flores, independente de datas.Aliás, as datas pouco importavam para ele, apesar de fazer questão de comemorar todos os aniversários.
Flores ele nos dava quando tinha vontade, o que era quase sempre.
Um homem que amava a vida e as pessoas de forma tão intensa e ao mesmo tempo delicada é difícil de encontrar.
Hoje quem dá flores sou eu!